sábado, 2 de abril de 2011

Mind

Eu não sei mais por quanto tempo isso vai continuar acontecendo. Esse sentimento de que não sou útil para as pessoas com quem me importo, esse vazio que não se preenche, uma solidão que me faz passar por "garotinha depressiva".
Porque é exatamente isso que todos enxergam e parece que esquecem que eu tenho sentimentos, e muitos deles ainda estão quebrados, incompletos, desfigurados pelo acidente que sofreram.
Quando eu sorrio fico procurando motivos para isso ao invés de simplesmente sorrir, e isso pra mim não é felicidade. Quando digo que estou bem é só uma simples resposta para aquela pergunta clichê que todos fazem ao cumprimentar uns aos outros. Quando entro em meu local de trabalho me transformo em uma outra Priscila, a qual não pode se deixar abater por sentimentalismos bobos - é assim que devo pensar. Quando saio com meus amigos e amigas, são as bebidas que dão conta do recado e produzem uma máscara em mim, um escudo protetor. Já não sei mais ser eu mesma e isso é tudo que eu quero poder ser, com todos e independente da ocasião. Mas acontece que esse medo idiota de me ferir mais uma vez acaba tomando conta de tudo. E é aí que as lágrimas entram. Ou saem.

3 comentários:

  1. "Mas acontece que esse medo idiota de me ferir mais uma vez acaba tomando conta de tudo. E é aí que as lágrimas entram. Ou saem."

    O medo, acaba por provocar as lágrimas!
    adorei!

    beijo querida,
    ^^

    ResponderExcluir
  2. Priscila, você é tão boba amor

    ResponderExcluir
  3. “A vida já é tão difícil, por que a gente fica arranjando mais problemas pra gente? Que necessidade é essa de apertar o botão de auto-destruição?” Meredith Grey \\ pense nisso =)

    ResponderExcluir